Arquivo da categoria: Cana

Falando sobre Copa

Sim, falar sobre a copa do mundo…

Deve render umas boas vizualizações no blog.

Então vamos lá:

Estava eu vendo um joguinho fraco, daqueles que não dá vontade de ficar acordado.

Tive uma ideia fantástica: Pegar uma loura gelada e ser feliz!

Virei a latinha guela abaixo.

Peguei outra latinha, meio quente.

Assisti um pouco do jogo.

Levantei do sofá.

Coloquei o amendoim pra torrar.

Voltei pro sofá com outra latinha.

Coloquei no canal do boi.

Peguei outra garrafa.

Juntei um pouco do amendoim com sal e voltei pra sacada.

Tomei outra dose e sentei no sofá.

Desliguei a TV pq as vuvuzelas já estavam enchendo o saco!

Tentei apagar o princípio de incêndio por causa dos amendoins (esquecidos) no forno.

Sem sucesso na tentativa de apagar o fogo, o vizinho chamou o corpo de bombeiros.

Desci pra não morrer cozido naquele forno que ficou meu apartamento.

Senti que tava faltando alguma coisa: Minha latinha ficou lá em cima!!!

Fui ao mercado e comprei uma garrafa de Ypióca Oro.

Cansei de andar e parei numa Lan House pra fuçar na internet enquanto esperava a preguiça passar.

Contei uma lorota num blog e fui pra casa dormir feliz e contente.

Chegando em casa, vi uma puta zona e um carro dos bombeiros.

Puta merda! Lembrei que minha casa tava pegando fogo…

E o jogo?

Ah sim, ficou Zero a Zero e o Dunga ainda achou que o time foi bem!

Um abraço.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em cachaça, Cana, Conto

Ah não!

Mais um dia chegando ao fim e no meio dele aconteceu uma coisa.

É, uma coisa…Daquelas que vem pra “estragar” o dia e você só lamenta por não poder fazer nada pra mudar.

Garoto de origem humilde, cresce rápido na vida, não estuda e dá nisso: “Quero um Porsche e uma Ferrari na garagem.

O rapaz só podia estar muito bêbado quando concedeu essa entrevista. Pelo menos é o que a gente espera depois de ler tanta asneira.

Mas ainda acho que os comentários vão fazer com que o imbecil do Neymar mude de postura, caso contrário ele irá virar mais um desses super jogadores que são chegados numa cachacinha (assim como eu sou chegado) e uma balada mas que não tem nada dentro da cabeça (opa, eu não entro nessa categoria)!

Obrigado pela atenção e boa noite!

Deixe um comentário

Arquivado em cachaça, Cana

Onde eu tô?

Shitaka perdido (parte 1 de X)

Vê se pode um negócio desses:

Um dia, numa dessas festas de república cheia de universitários (e mais importante ainda, de universitárias) bêbados, travados e bem loucos, Shitaka – um de nossos amigos orientais – fica muito empolgado, conversa com todo mundo, bebe de tudo que é coisa (cerveja, vodka com refri, catuaba…) até chegar no estado “presente em corpo mas a alma já era”. Claro que todo mundo tem um dia desses, mas a primeira vez que vi Shitaka sair muito louco da festa sem avisar ninguém fiquei preocupado.

Já era quase 6h da matina de sábado quando resolvemos ir embora da festa, mas como tinha acabado de chegar a última remessa de litrões na casa, nosso amigo oriental resolveu ficar e pegar carona com um dos nossos que iria embora só mais tarde. Pegamos nosso rumo a pé para casa, já tínhamos avisado todo mundo que Shitaka havia ficado para trás e, com a cabeça tranqüila e a duas quadras de casa, eis que toca meu celular:

Eu – Alô.

Shitaka – Alô mano, onde vocês estão?

Achei estranho não ouvir vozes ou música ao fundo e foi quando me perguntei: Com quem esse pu** de mierda acha que está falando? Acabei de falar pra ele que estava indo embora e ele disse que não vinha com a gente…

Eu – Pô Shitaka, to chegando em casa, você não está na festa?

Shitaka – Estou aqui fora numa rua, não sei bem onde, mas saí da festa e to perdido.

Eu – Mas que porra! Venha em direção à Rua XXX e suba até a Avenida XYX…

Shitaka – Eu não sei onde estou, mas vou chegar aí. Daqui uns 10 minutos to aí…

(?!) Como alguém pode saber quanto tempo leva pra chegar de um lugar onde não se sabe onde está para outro lugar?!?!

Meu, eu juro que fiquei olhando pra rua, vazia, e não vi esse desgraçado em lugar algum…10 minutos depois resolvi ligar pra ver onde esse puto estava e, olhando para a direção em que ele deveria estar vindo, vejo alguém se levantando de uma mureta e vindo em nossa direção. E a conversa pelo telefone seguia:

Eu – Meu, onde você tá?

Shitaka – Tô chegando aí, espere um pouco…

Eu – Putamerda meu, você tá aí na esquina faz quanto tempo?

Shitaka – Eu tava cansado e sentei aqui pra respirar…

Desliguei o telefone depois dessa! Ele tava uma quadra de distância desde que ligou pela primeira vez, certeza! Fiquei olhando a rua o tempo todo e não vi ninguém, nenhum carro, nada se movimentando naquela direção!!!

O pior disso tudo é que Shitaka não se lembra nunca de ter passado por isso e não acredita quando a gente conta as histórias pra ele!

Só não espero que isso aconteça muitas vezes senão vai ficar chato colocar sempre a mesma historinha aqui no blog! Hehehe

Cheers!

Deixe um comentário

Arquivado em cachaça, Cana, crônicas

A Marvada

Existem pessoas que, quando bêbadas, fazem as coisas mais imbecis do mundo.

Exemplos? Homens que acabam achando que algumas mulheres são mais bonitas do que realmente são; Pessoas que acham que ficam mais habilidosas ao volante; Pessoas que ficam mais ricas e pagam a conta da galera mesmo sem ter grana… Mas eu acho que nem se eu estivesse MUITO bêbado faria o que estas duas fizeram, provavelmente, sóbrias.

Sei que não é o vídeo mais novo do mundo, mas como pode ser tão imbecil assim?

Deixe um comentário

Arquivado em cachaça, Cana

Crônica da Memória

Memória falha

Sabe quando você chega em casa, cansado pra cacet* de tanto der enchido o c* de cachaça o dia inteiro, senta no sofá só pra dar um tempo antes de ir pra cama mas acaba dormindo?

É, acontece com todo mundo… Mas com um queguido amigo nosso aconteceu algo semelhante, mas com um teor a mais de álcool!

Queguido (sim, chamaremos nosso amigo de Queguido) é um rapaz novo e seu charme é algo único, consegue encantar com poucas palavras, uma vez que tem a língua pguesa e suas frases e pérolas caem no gosto da rapaziada. Em pouco tempo morando na república dos tgutas, ele se já passou por celebridades como Madgue Teguesa, William Wallace e Boça, já tomou meio litro de Muzambinho dizendo que quem toma cachaça tem “sangue na veia”… Tudo em consequência de ter ingerido doses cavalares de álcool! E por mais que ele tente azucrinar a galera, encher o saco de todo mundo, não consegue pelo simples motivo de sempre fazer todo mundo dar boas risadas com suas pérolas.

A última vez que tive notícias do paradeiro de Queguido foi num desses fins de semana quando a gente reúne a galera pra fazer um aquece pras festas, mas no meio do caminho (entre um bar e outro, entre uma festa e outra no mesmo dia) acabamos perdendo nosso amigo de vista por uns momentos, mas isso nunca foi um problema, sempre tem um perdido que cai num canto e fica passando mal.

Mas vejamos o relato de um de nossos amigos ítalo-oriental sobre o dia em que perdemos Queguido:

Estava eu dormindo como uma pedra em minha cama, depois de encher a cara, quando ouço o barulho de alguém urinando no lavabo – mas que engraçado, achei que estivesse sozinho em casa, todos estão viajando…

Intrigado por ouvir coisas que não deveria estar ouvindo e quase chegando a conclusão de que ainda estaria embriagado ouço a descarga e logo me levanto para ver que Diabos está acontecendo e, para o meu alívio, não estava escutando coisas, realmente alguém usou a privada. Olho no quarto de Saulo, ninguém. Olho no quarto de Xavequinho, nada também… Só me restava olhar na sala e aí sim, encontrei um gordinho esparramado no sofá, a televisão ligada no canal da programação dos canais da TV a cabo e uma dúvida na cabeça: Como Queguido veio parar aqui? Ou melhor, onde ele se meteu?

Passado o dia, ou a noite, um dos colegas de república de Queguido apareceu e resgatou o gordinho da língua pguesa e logo as coisas foram se esclarecendo…

(Fim de um relato ítalo-oriental)

Sabendo que Queguido é sonâmbulo, concluímos que ele ficou muito loco de bêbado (tá, isso todo mundo já sabia), dormiu no bar (ou em alguma das festas que fomos) em algum momento da noite e voltou pra casa, mas a antiga casa, que ele morou até alguns meses antes desse ocorrido… É a única explicação, não tem como ter sido outra coisa! E acredito que muitas pessoas já acordaram em algum lugar se perguntando: Como vim parar nessa espelunca???

E você, puto de mierda, tem alguma outra ideia do que possa ter acontecido?

Obrigado e boa semana!

Deixe um comentário

Arquivado em cachaça, Cana, crônicas